Babies & Kids Casa & Decor 15 anos

Navegue como ou

Editorial { Puro Romance }

Depois do editorial de decoração para um casamento no bosque da Revista Constance Zahn Nr. 2 (a edição Nr. 3 está à venda aqui!), temos mais um lindo editorial de vestidos de noiva!

Aqui, pensamos em uma noiva romântica e propusemos modelos delicados, com rendas e tecidos fluidos, combinados com acessórios leves e uma beleza natural.

editorial-moda-vestido-de-noiva-puro-romance-revista-constance-zahn-casamentos-nr2-5

editorial-moda-vestido-de-noiva-puro-romance-revista-constance-zahn-casamentos-nr2-7

Vestido: MartuFornecedoresMARTUVestidos de FestaRio de JaneiroLeia mais | Pente: Gisele Nasser

editorial-moda-vestido-de-noiva-puro-romance-revista-constance-zahn-casamentos-nr2-9

Fotos: Josefina Bietti (Abá Mgt) | Styling: Flavia Brunetti | Beleza: Ronaldo Pereira e Thony Gonzalez | Local: Núcleo de Moda Faculdade Belas Artes | Móveis: Festah

Veja também: Editorial de vestidos de noiva { Happily Ever After }

E mais: Editorial de beleza { Dress Your Hair }

Bate-papo com Márcia Charnizon

Márcia Charnizon tinha apenas 13 anos quando começou no mundo da fotografia, como autodidata. Desde então, fotografar se tornou rotina. Depois de se formar em Comunicação Social e morar em Israel, Márcia voltou ao Brasil e, sem perceber, entrou no universo de casamentos. Ela acabou se tornando referência na área e é presença constante aqui no site, com lindos registros de casamentos em Belo Horizonte! A fotógrafa acredita que “a pose é a interrupção do movimento” e, em entrevista ao site, conta os segredos para fotos de casamento espontâneas e, ao mesmo tempo, glamourosas!

Bate-Papo-Marcia-Charnizon

– Você começou muito cedo no mundo da fotografia. Como chegou ao universo de casamentos?

Os casamentos que chegaram até mim! Comecei no teatro e fazendo retratos. Meus amigos eram bailarinos e atores, então eu registrava o backstage dos palcos. Certo dia, aceitei fazer o casamento de uma amiga minha e, quando vi, estava dentro desse mercado. Mas eu fazia de tudo um pouco e nunca procurei nenhuma área específica, as coisas foram acontecendo. Como sempre gostei de fotografar pessoas, curti o mundo dos casamentos e caí de cabeça.

– Seus ensaios pré-casamento são referência. Mas, atualmente, você tem falado bastante sobre a quebra de paradigmas nesse âmbito. Você ainda faz ensaios pré e pós casamento ou acredita em outros formatos?

Não gosto de formatos e regras. Quando começa a virar um “pacote”, me incomoda. Não tem que ser assim! Não preciso necessariamente fazer uma sessão antes ou depois do casamento, pode acontecer no dia mesmo! Depende de cada personagem. Se eu estou com uma noiva que tem o sonho de fazer uma externa, em um jardim por exemplo, ok. Quando ela prefere que eu faça as fotos no dia do casamento, ok também! Não coloco nenhum impedimento e jamais vou forçar uma situação. Eu vou me adequar ao sonho dos noivos.

– Quanto tempo você precisa para fazer o making of da noiva? E para a sessão de fotos após a cerimônia?

Meia hora é o suficiente. As fotos da Renata Nogueira (publicamos o casamento dela aqui!), que fizemos no corredor, por exemplo, levaram 5 minutos. Depois mais 20 na sala. Sou muito rápida e consigo, dentro de um espaço, resolver a luz de forma ágil. E minha direção de cena também é ágil, o que é melhor para a noiva, pois fica mais natural. Já para a sessão de fotos com os noivos depois da cerimônia, 10 minutos são suficientes.

– Suas fotos têm um estilo de editorial. A moda é uma inspiração para você?

Na verdade, eu fiz fotos de moda por pouco tempo. Acho que tenho mais referência do teatro. Uma luz mais dramática e o ato de fotografar um personagem. Não coloco a noiva como modelo, com poses de top, a não ser que ela queira. A minha direção de cena é mais natural, falo “anda aqui, mexe aqui” e vou dirigindo a pessoa em movimento. Não é pose, não tem o glamour da moda, muito embora o resultado seja glamouroso. Mas na hora das fotos, não procuro isso.

– Quais são os segredos de dirigir os noivos para fotos espontâneas? 

O segredo é desviar a atenção da fotografia. Sou adepta de uma direção mais lúdica e divertida. Quando falamos em fotos divertidas, as pessoas imaginam os noivos gargalhando, pulando, mas não é isso. A noiva pode estar se divertindo pegando no vestido e sentindo seus detalhes. Para mim, o que faz a diferença é a pessoa estar realmente fazendo algo e não apenas fingindo. É o que torna a situação natural. E o fotógrafo também precisa ser ágil. Não vale pedir para a noiva fazer o movimento e demorar para clicar. Se torna desconfortável.

– Você diz que a pose é a interrupção do movimento. Como chegar a essa interrupção de maneira espontânea?

Eu falo para você mexer no seu cabelo. E quando você estiver no meio do movimento, eu falo “olhou para mim”. Tem que ser gradual para que o resultado seja natural. Se eu falar “mexe no cabelo e olha para mim”, não será tão espontâneo. É verdade que o resultado final pode até ser tão bonito quanto o da interrupção do movimento, mas para quem está sendo fotografado, será mais agradável e leve do que fazer uma pose. E tem que estar pronto para dar o comando e fotografar! Senão perde o momento.

– Você aposta bastante em fotos em preto e branco. Quando é “a hora” de usar P&B e colorida?

Se tivesse regra, eu contaria! (risos) Mas na hora de fotografar eu tenho uma noção. Depende muito do contraste do fundo com o primeiro plano e também do tema.

– Quais são as 3 dicas que você daria para as noivas?

1. No dia do casamento, esqueça tudo o que pode dar errado. Vejo noivas muito tensas, perdendo a magia do momento. Se der errado, é porque tinha que ser desse jeito!

2. Olhe para o seu noivo, troque olhares e deixe a emoção vir. Chorar é bonito! E o mais bonito e emocionante do casamento é quando as pessoas se entregam àquele momento e se deixam emocionar.

3. Se cerque de bons fornecedores. E quando digo “bons”, não estou falando apenas do serviço, mas também do astral. Alto-astral contamina!

(Fotos: Márcia Charnizon)

Destination wedding em Florianópolis: Emiliana Lacerda e Sérgio Koffes

A mineira Emiliana e o brasiliense Sérgio fizeram questão de se casar em um destination wedding em Florianópolis, exatamente no lugar em que se conheceram, há 10 anos. O casamento aconteceu em duas etapas: a cerimônia íntima e religiosa em uma igrejinha super charmosa; e o grande dia, com benção ao por do sol e festa que durou até o amanhecer! Lica Paludo cuidou da decoração e criou uma ambientação descolada, mas também sofisticada.

A HISTÓRIA DOS NOIVOS

Os amigos em comum de Emiliana e Sérgio os apresentaram em 2006, na praia de Jurerê Internacional, em Florianópolis. E nos 10 anos até o casamento, aconteceu de tudo um pouco! Primeiro, os dois se distanciaram, já que Sérgio passou uma temporada nos Estados Unidos. Depois, em 2014, o casal se reencontrou e aí, sim, o namoro engatou! O pedido de casamento veio logo, no ano seguinte, e deu início ao sonho do destination wedding.

O CASAMENTO

Emiliana e Sérgio decidiram se casar em Florianópolis, onde tudo começou. “Queríamos nos casar exatamente no local onde nos conhecemos… naquele mesmo Beach Club, que hoje é o Parador Donna”, conta Emiliana. A cerimônia religiosa aconteceu alguns dias antes da grande festa, apenas para os mais íntimos. O local escolhido foi a Igrejinha da Fortaleza de São José da Ponta Grossa, que despertou a paixão da noiva! “Singela, toda de pedra e com imagens de barro. Tudo isso em um local tombado pelo patrimônio que tem a energia e o visual mais lindos do mundo!”. Para a cerimônia, a noiva usou vestido bem leve, no estilo minimalista, com transparência na saia.

casamento-cerimonia-religiosa-lica-paludo-1

casamento-cerimonia-religiosa-lica-paludo-2

casamento-cerimonia-religiosa-lica-paludo-3

casamento-cerimonia-religiosa-lica-paludo-4

casamento-cerimonia-religiosa-lica-paludo-5

Depois, foi a vez da benção ao por do sol e com vista para o mar, seguida da festa para 380 convidados. Lica Paludo foi a responsável pela decoração e se inspirou no estilo gypset, que une a pegada despojada do gypsy ao glamour do jet set. A nave recebe canteiros de folhagens e flores brancas, que combinavam com o arco, e velas.

casamento-praia-lica-paludo-01

casamento-praia-lica-paludo-02

Para a festa, Lica apostou no mix de flores e cores: hortênsias, rosas, tulipas em tons de roxo, azul, verde e rosa. Suculentas, capins e eucaliptos também compuseram a ambientação.

casamento-praia-lica-paludo-05

casamento-praia-lica-paludo-06

A decoradora também usou pêndulos de flores em tons de azul e rosa como elementos aéreos.

casamento-praia-lica-paludo-03

casamento-praia-lica-paludo-04

casamento-praia-lica-paludo-07

casamento-praia-lica-paludo-09

casamento-praia-lica-paludo-10

casamento-praia-lica-paludo-08

Para a grande festa, Emiliana usou vestido todo rendado com decote ombro a ombro. Penteado meio-preso com headband delicada complementaram o look.

casamento-praia-lica-paludo-11

casamento-praia-lica-paludo-12

casamento-praia-lica-paludo-14

casamento-praia-lica-paludo-13

casamento-praia-lica-paludo-15

casamento-praia-lica-paludo-16

casamento-praia-lica-paludo-17

casamento-praia-lica-paludo-21

A mesa do bolo foi “emoldurada” por folhagens e recebeu mix de flores e tons como rosa, vermelho e azul. Como é apaixonada por proteas, a noiva quis que a flor compusesse a decoração da mesa dos doces.

casamento-praia-lica-paludo-18

casamento-praia-lica-paludo-19

casamento-praia-lica-paludo-20

Fotos: Bruno Stuckert e Plinio Ricardo | Coral e orquestra: Del ChiaroFornecedoresCORAL E ORQUESTRA DEL CHIAROCoral & OrquestraCuritibaLeia mais | Decoração: Lica Paludo | Buffet: Donna Jurerê | Bolo e bem-casados: Christiane Bender | Doces: Mayra Pauli | Vestido de noiva: Vivaz Brides | Tiara: Avivar | Cabelo e maquiagem: Liliam Liduario | Trajes e vestidos de pajens e daminhas: Laçarotte | Traje do noivo: Ricardo AlmeidaFornecedoresRICARDO ALMEIDANoivos & PadrinhosBrasília, Rio de Janeiro, São Paulo (Capital)Leia mais | Identidade visual: Boda Design