Muitos noivos têm optado por ter mesas setorizadas no casamento. Como o assunto divide opiniões, dúvidas são super comuns: é indelicado? Como evitar gafes? Serve para todos os tipos de festas? Para responder estas e outras perguntas, convocamos a assessora Georgia Nog, da Toda de Branco, Bridal GuideBABI LEITE EVENTOSAssessoria de casamento & CerimonialSão Paulo, São Paulo (Capital)Portfólio para falar sobre prós, contras e boas práticas ao setorizar mesas no casamento!

– Por que apostar em mesas setorizadas?

A setorização organiza os convidados. Por meio dela, os noivos podem garantir que aqueles que fazem parte de um determinado grupo (por exemplo, família do noivo ou faculdade) sentem-se todos próximos. Além disso, ajuda a garantir que praticamente todos os convidados terão lugares para se sentar em mesas, o que é muito importante em algumas regiões e culturas.

– Quais são os prós e contras das mesas setorizadas?

O lado bom é que assim se pode garantir que pessoas próximas se sentarão na mesma área da festa, e que todos terão um lugar para se sentarem em mesas. Isso é essencial para casamentos em que o serviço será empratado. O lado negativo é que a festa fica com menos movimento, um pouco mais engessada. Também é necessário ter lugares extras, pois às vezes temos mesas de dez pessoas ocupadas por grupos menores, ou seja, perdemos lugares. Isso ocupa bastante espaço, e pode deixar a decoração possivelmente menos interessante.

– Essa prática funciona para qualquer tipo de casamento?

Para aqueles que querem uma festa muito animada, com a pista cheia em todos os momentos, o ideal é não setorizar. Para casamentos nos quais a prioridade é a gastronomia, é bem bacana pensar em uma setorização para garantir conforto aos convidados.

– A setorização funciona melhor para casamentos grandes ou pequenos?

Tanto faz o tamanho do casamento, mas em casamentos pequenos eu acho que pode ser mais necessário para garantir que as pessoas que já se conhecem consigam de fato estar juntas. Em casamentos grandes, as mesas rotativas e lounges acabam sendo alternativas de pontos de encontro.

( Foto: Casa Lume )

– Quais são as boas práticas que os noivos devem ter em mente na hora de mapear as mesas?

Não criar nenhum setor em lounges. As pessoas que são direcionadas a um setor composto por lounges ficam extremamente decepcionadas.

– Como pensar onde alocar cada grupo de convidados de acordo com o perfil?

O ideal é deixar os grupos mais animados perto da pista, e os grupos de pessoas mais velhas, ou de trabalho, mais afastados da bagunça.

– Como fazer a setorização de forma a garantir que todos os convidados estejam confortáveis com seus lugares – que não haja convidado achando que está desfavorecido?

Garantir que teremos lugares sentados para todos e, ainda, alguns extras. Os convidados, em geral, não reclamam da localização das áreas, mas reclamam muito se são encaminhados para uma área e não há mais lugares lá, ou se a área aonde foram direcionados se resume a um lounge.

– A assessoria precisa contratar mais pessoas para encaminhar os convidados para os setores?

Melhor que assessoria, hoje há empresas que oferecem um serviço de receptivo e que têm expertise para receber e direcionar os convidados com agilidade e cuidado. Sou sempre a favor de contratar fornecedores que são especialistas em um determinado serviço!

– Como os noivos podem nomear cada setor da festa?

A imaginação é o limite! Nomes de cidades ou países, de flores e até mesmo de pedras preciosas funcionam bem. Numerais também são uma boa opção para casais mais discretos. 

– Caso os noivos queiram garantir lugares para algum grupo de convidados, é possível?

Sim, acho que reservar até seis mesas para um setor de convidados é uma possibilidade!