Babies & Kids Casa & Decor 15 anos
Topo

Navegue como ou

Os 10 vestidos de noiva mais bonitos das princesas

Na expectativa pelo vestido de Meghan Markle, decidi fazer uma retrospectiva com os 10 vestidos de noiva mais bonitos das princesas (na minha opinião). É difícil fazer um ranking, porque todos são lindos e já se tornaram icônicos. Exceto pelos 3 primeiros, a ordem dos demais não importa tanto, a meu ver, mas eu tinha que organizar de alguma maneira…

E o que eles tem em comum? De modo geral, um look bridal de princesa (da vida real, não da Disney) se faz por: um vestido composto (=sem decotes profundos) + cauda longuíssima (o que só faz sentido mesmo quando se é da realeza) + tiara deslumbrante (todas centenárias e de diamantes, claro) + brincos pequenos + maquiagem discreta (tão discreta que às vezes parece até inexistente). Claro que há exceções para cada um dos itens, e vou citá-las quando aparecerem.

Abaixo, portanto, meus favoritos:

#1 Rainha Máxima da Holanda (2002)

Meu preferido absoluto, uma obra-prima de Valentino Garavani! O vestido é imponente sem ser over, o epítome do chic, absolutamente atemporal… é um vestido digno de Rainha (o que ela se tornou em 2013)! O máximo para Máxima!

Por ser liso, alguns podem imaginar que seja um vestido simples, nas não se enganem! Um vestido tão bem feito, tão bem estruturado, só pode ser feito por uma maison de haute couture! De todos os aqui listados, é o mais complexo em termos de execução!

O modelo de zibeline tinha gola altinha afastada do pesçoco (o que confere nobreza ao look), mangas 3/4 (o que foi importante para não deixar o vestido pesado demais) e renda aplicada na parte interna das pregas da saia. Além do vestido, Valentino também criou a mantilha , aplicando renda sobre o tule point d’esprit (aliás, Valentino sempre gostou de fazer véus/mantilhas com point d’esprit).

Foco na gola impecável, que pra mim é o detalhe mais importante do vestido:

E o efeito da mantilha sobre a zibeline:

#2 Kate Middleton, Duquesa de Cambridge (2011)

Um vestido perfeito para um conto de fadas! Sarah Burton, estilista da Alexander McQueen, criou um vestido clássico, atual e romântico, com referências vitorianas, precioso trabalho artesanal e corte im-pe-cá-vel! A masterpiece, indeed!

A parte de cima do modelo vestiu como uma luva, a renda parece colada na pele! Fora isso, o corset valorizou a cinturinha de pilão de Kate Middleton. Mas o principal, pra mim, foi a basque na parte de trás! Foi o detalhe surpresa que deu ao vestido um toque vintage revisitado e que fez o modelo fugir do comum.

Em relação à beleza, Kate Middleton fugiu à regra da realeza usando cabelo meio preso (só me lembro de uma princesa antes dela de cabelo meio preso, a Princesa Sibilla de Luxemburgo) e maquiagem mais carregada.

O véu sobre o rosto deixou o look ainda mais romântico:

Gosto desse ângulo, porque dá par ver bem o corte da saia:

Detalhe da basque, que ficou um pouco escondida pelo véu curto:

Nessas fotos do vestido no manequim dá para ver melhor a basque:

O punho que não é cortado reto é outro detalhe que faz toda a diferença – tanto o “v” que faz na parte dos botõezinhos, como a ponta sobre a mão:

#3 Princesa Mette-Marit da Noruega (2001)

O que poderia ser mais nórdico do que um vestido minimalista? Um design super clean, sim, mas nem por isso menos “princesa”! A cauda generosa e o véu longuíssimo garantiram o toque de fairy tale. E o efeito do tule de seda franzido na cauda e no véu fez com que Mette-Marit parecesse caminhar sobre as nuvens! A noiva da realeza mais conceitual!

O coque bem sleek + tiara discreta complementaram o look com perfeição.

Na exposição do vestido, dava para ver melhor o efeito do tule franzido na cauda:

O decote nas costas era igual ao da frente:

Para o meu gosto, a única coisa que poderia ter sido diferente é o bouquet – bastante conceitual também e até de interessante construção, mas pesou no visual…

#4 Princesa Claire de Luxemburgo (2013)

Elie Saab pode ter feito a sua estreia entre as noivas da realeza com a Princesa Stéphanie de Luxemburgo, mas guardou o melhor para Claire, sua concunhada que se casou no ano seguinte. O modelo é super contemporâneo, mas com uma essência clássica que o torna atemporal.

Que eu me lembre é o primeiro vestido de noiva de princesa com forro nude (não chega a ser um tom que a faça parecer nude mesmo, mas evidentemente não é branco). A saia sem volume na frente também deixou o look bem atual!

O bordado de linha sobre a renda chantilly do vestido foi replicado no centro do véu (e não nas bordas para simular uma mantilha):

#5 Infanta Cristina da Espanha (1997)

Um dos primeiros casamentos que me lembro de ter acompanhado pela TV e, portanto, um dos vestidos de noiva de princesa que mais me marcou!

Um vestido de noiva clean, de tecido liso, com um discreto bordado de linha abaixo do busto e na cauda. Muito chic! E perfeito para não se sobrepor ao complementos: o véu que pertenceu à Rainha Victoria Eugenie (neta da Rainha Victória da Inglaterra e bisavó da noiva), a belíssima tiara floral Mellerio (que na época fez tanto sucesso que foi campeã de réplica) e os poderosos brincos (também herança da Rainha Victoria Eugenie).

E apesar de parecer careta ou até comum, foi um dos primeiros vestidos de noiva da realeza (senão O primeiro) com decote ombro-a-ombro! De uma maneira muito elegante, a Infanta Cristina “inovou”.

Tirei um printscreen do vídeo do casamento para mostrar a beleza da forma do vestido com a cauda:

Gostei da maneira como a mantilha foi presa, fazendo um ‘babadinho’. E repare nos brincos… a pedra gigantesca ao centro é o que você está pensando mesmo: um diamante! Os brincos mais poderosos de todas as noivas!

Peguei um close da tiara (aqui usada pela Rainha Letizia) para mostrar melhor sua beleza:

#6 Princesa Caroline de Mônaco (1978)

Aqui uma noiva que foge à regra das princesas: o vestido não tem cauda e ela não usou tiara. Caroline de Mônaco foi a noiva boho da realeza, super anos 70! Dizem que Marc Bohan, então estilista da Dior, teve que mudar o modelo a poucas semanas do grande dia porque haviam vazado informações sobre o vestido original na imprensa.

Ainda que tenha sido de última hora e por mais “datado” que possa parecer hoje, continuo achando o vestido lindo! Um modelo leve que combina com o verão e que inspira um certo ar de pureza.

Adoro o cortejo também! Grace Kelly, mãe da noiva, de amarelo combinando com os vestidos e os buquezinhos das daminhas:

Gosto até o arranjo de cabelo de flores, considerando a época (não precisa ser recriado hoje):

Quis incluir essas fotos, porque acho o Príncipe Rainier III muito fofinho e porque aqui dá para ver que Caroline foi para a cerimônia com o véu sobre o rosto:

#7 Rainha Letizia da Espanha (2004)

Vestidos estilo capa são um clássico da realeza – vide Rainha Mathilde da Bélgica, Princesa Märtha Louise da Noruega e Duquesa de Cornwall. Embora o vestido da Rainha Letizia da Espanha não ser exatamente capa (por não ser aberto na frente), tem um ar de. E nessa categoria, é o mais marcante.

A gola levantada deu imponência ao modelo da então futura reina da Espanha. Em homenagem ao noivo, os bordados em linha prata e dourada tinham, entre outras coisas, a flor de lis como motivo – símbolo do príncipe de Astúrias. E a modelagem da saia ficou muito bonita, deixando um shape mais ajustado à medida em que ela andava.

O punho que cobre um pouco a mão não poderia ser mais perfeito para esse vestido:

Aqui dá para ver bem o corte da cauda:

#8 Princesa Marie-Chantal da Grécia (1995)

Marie-Chantal escolheu o estilista Valentino Garavani para fazer um statement ao entrar para a realeza! Foram 25 costureiras trabalhando no vestido, que levou mais de 12 tipos de rendas nas aplicações. A saia tulipa, de zibeline marfim, e a gola alta dão um ar de Grace Kelly ao modelo. A mantilha de point d’esprit também foi feita pela maison Valentino.

Talvez não seja um tipo de vestido que inspire as noivas dos dias de hoje (por ser mais “durinho”, super formal e ter a blusa com corte abaixo do busto), mas exerceu sua função com louvor na época e é um primor de execução!

O bouquet composto (também chamado de glamelia), que simula uma rosa gigante, é singelo e romântico:

Achei o máximo que Marie-Chantal chamou o super fotógrafo de moda David Seidner para fazer retratos do casal, que parecem pinturas antigas:

#9 Princesa Victoria da Suécia (2010)

Que eu saiba, foi o primeiro vestido de noiva de uma princesa “importante” de manga curta. Depois de Victoria, houve a princesa Charlene de Mônaco e mais tarde, a irmã Madeleine. Além das mangas curtas, o vestido também deixou os ombros à mostra. Mas apesar de “quebrar as tradições”, ao meu ver, o modelo não deixa de ser apropriado para uma noiva-princesa do século XXI.

Foi um vestido clássico e discreto de tecido liso, que deixou os complementos em destaque: a Cameo Tiara (uma joia unique) com os brincos e pulseira da parure + belíssima mantilha que passou de geração em geração na família real da Suécia (só perde em beleza para a mantilha da família real da Bélgica).

Detalhe da mantilha:

A princesa Victoria dançou a valsa com a mantilha sobre o braço – um costume lindo que já não vemos hoje em dia, porque as noivas tiram a o véu antes de entrar na pista de dança:

#10 Princesa Madeleine da Suécia (2013)

Mais um Valentino de princesa! Para Madeleine, que se casou no comecinho do verão, a maison italiana desenhou um vestido leve e clássico. De longe, ele parece ser todo de renda, mas o corpo e a saia levam organza plissada marfim com aplicações da mesma renda branca do decote. Assim como sua irmã Victoria, Madeleine optou por mangas curtas. O vestido também teve um modesto decote nas costas, na medida certa para uma princesa.

A tiara de diamantes foi combinada com florzinhas brancas na base:

Detalhe do trabalho da organza plissada com as aplicações de renda:

Vale comentar também os sapatos Oscar de la Renta que eram belíssimos:

Hors-concours: Grace Kelly (1956)

Não dava para colocar Grace Kelly na “competição”, porque ela é hors-concours! Mas também não dava para fazer o post sem ela… portanto, termino com O vestido de noiva de princesa! O ícone-mor! A imagem eterna da noiva clássica!

O que torna esse vestido único? Tudo! É a deslumbrante renda de Bruxelas usada na blusa, que nem se encontra mais! É a golinha em V na altura certa que termina nos botõezinhos. É o feitio impecável – assim como no vestido de Kate Middleton, a renda parece colada no corpo! É a faixa de tafetá que marca a cintura e vai até abaixo do busto. É a saia tulipa. E, o mais importante de tudo, é a pessoa que o veste!

A saia tulipa de tafetá, armadinha e com os amassadinhos inevitáveis do tecido (o que não é feio, é assim mesmo):

O volume da saia deixa a cintura ainda mais fininha:

Já comentei num post antigo, que a postura de Grace Kelly faz toda a diferença! Até para rezar a coluna continua ereta:

A cauda do vestido era formada por duas partes de tafetá unidas por laços, debaixo dos quais surgia a renda:

Fotos: Reprodução

 Será que Meghan Markle vai se inspirar em alguma delas?!?

6 Comentários

  1. Samara 2 de Abril de 2018

    O meu palpite para Meghan é um vestido menos princesa, menos romântico, mais sério, não aposto em renda. A não ser que eles queiram evitar comparações com o primeiro vestido, mas por ser segundo casamento e a posição dela na família real, não acho que vão fazer uma imagem “princessíssima” como fizeram com a Middleton. Apostaria em vestido liso, talvez armado e um véu suntuoso e uma coroa linda, em contraste, talvez até a tiara da rainha Mary.
    Adorei a sua seleção, muitos eu não conhecia.

    • Constance Zahn 4 de Abril de 2018

      Oi, Samara! A minha aposta também é um tecido liso, menos romântico! 🙂

  2. Ana 3 de Abril de 2018

    Constance, concordo em grau e gênero com você, o vestido da Rainha Máxima da Holanda é uma verdadeira obra-prima e, não apenas o vestido, mas todo o conjunto: penteado, maquiagem, acessórios e, é claro, o porte dela. É a prova de que menos é mais e que um bom corte faz a ”coisa acontecer”. Indubitavelmente é o meu preferido.

    • Constance Zahn 4 de Abril de 2018

      Ela estava perfeita!!! 🙂

  3. Mehiel 17 de Abril de 2018

    Constance, sempre temos o que aprender com os seus posts. Suas análises são muito técnicas e cuidadosas. Gosto muito!

    • Constance Zahn 18 de Abril de 2018

      Olá, Mehiel!

      Obrigada! Fico feliz que tenha gostado do post! 🙂

      Bjs

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *