Além do casamento, um outro preparativo tão gostoso quanto é montar a nova casa. Ali começa a história de uma nova família e é natural dúvidas surgirem neste processo. O que levar da minha casa? O que levar da dele? Comprar tudo novo? Como combinar o estilo dos dois? Pensando em tudo isso, decidimos criar um espaço aqui no site para falar da primeira casa. É a categoria Openhouse!

Para começar, conversamos com o escritório carioca Yamagata Arquitetura, que também atende em São Paulo e está responsável pela reforma do nosso escritório (quando estiver pronto, vamos postar tudo por aqui!). No dia em que a Paloma Yamagata, arquiteta que comanda o criativo ao lado de Aldi Flosi e Bruno Rangel, brincou dizendo “se você ainda não tem sua própria história, então compre uma que a gente faz ela se tornar realidade no seu projeto”, entendemos muito do trabalho deles e que, sim, é possível começar uma história do zero, basta ter alguém legal cuidando de tudo por trás. E é este justamente o mood do escritório: reformar a quatro (ou muitas) mãos (as deles e as dos noivos)! Vem ver as dicas que eles deram para o primeiro apartamento do casal: 

Bruno Rangel, Paloma Yamagata e Aldi Flosi

– Quem casa quer casa, qual a dica de vocês para os noivos que estão começando a pensar no primeiro apartamento?

Com relação ao projeto, nossa orientação é sempre na ordem do melhor aproveitamento dos espaços, assim como possíveis mudanças que a nova família pode vir a ter, como a chegada de um bebê. Este planejamento é importante para evitar incômodos e obras logo no começo do casamento. Apesar de ser o primeiro apartamento, gostamos quando a casa tem um pouco da história do casal. Achamos importante os novos moradores carregarem alguma referência para esta casa onde vão morar juntos. Esses itens são sempre valorizados em nosso projetos, ou mesmo agregados para criar uma decoração mais afetiva, mais legítima e com personalidade. Aqui vale tudo: objetos e móveis herdados dos pais, tios e avós, ou objetos trazidos de viagens.

– E para quem não tem ou não quer levar nada da casa dos pais?

Gostamos de entender um pouco dos gostos deles, das viagens e lembranças que possuem juntos e garimpar alguns móveis e/ou objetos vintage. Isso sempre traz uma certa personalidade ao projeto. Essa pesquisa em conjunto por referências, artistas, objetos e móveis pode até despertar uma nova paixão no casal.

– Mais que um escritório de arquitetura, vocês são conciliadores de história e decoração. Qual a melhor maneira de conciliar a história familiar dos noivos no novo apartamento?

Acreditamos que o melhor projeto é sempre feito a 4 mãos. Temos um estilo/assinatura, mas é sempre muito importante respeitar a forma de viver de cada cliente. Quando o casal nos contrata com antecedência, conseguimos fazer não só o projeto arquitetônico da casa, como indicar os itens certos de decoração para a lista de presentes. Pode parecer besteira, mas uma geladeira com o acabamento certo pode transformar a cozinha.

Outro ponto importante em que atuamos é no corte dos excessos. Muitos noivos chegam na casa com roupas além do que cabe nos armários, louças e eletroeletrônicos herdados ou ganhados que não cabem nos armários. Esses itens extras e a falta de espaço podem gerar um stress desnecessário logo no começo. Nossa recomendação é que se mantenha apenas o que for usual e funcional, o que realmente fizer diferença no dia a dia e trouxer conforto, praticidade e facilidade ao cotidiano.

– Como conciliar o estilo dos noivos com as tendências?

É muito importante respeitar o estilo dos noivos se não o decor não se sustenta. Apesar da decoração ter muito a ver com a moda, seguir a risca as tendências nunca foi uma boa ideia. Assim como a roupa que vestimos fica datada, o mesmo acontece com a casa. A diferença é que dá um pouco mais de trabalho trocar rs! Considerando ser a primeira casa e todos os investimentos financeiros que acompanham o casal neste momento (eventos pré e pós casamento, lua de mel…), ser o mais certeiro possível é importante. Nossa sugestão é apostar em linha neutra, com acabamentos e revestimentos atemporais, que possam ser customizados mais para frente se for o caso.

– Que móveis e peças recomendam investir logo de cara? O que vale um investimento alto e onde dá para ir com fast decor?

Investir em uma boa marcenaria é sempre uma forma de transformar, resolver problemas de espaços e organizar a nova casa. Falando em itens, boa mesa de jantar, cama e estofados são prioridades.

– E o que acham que vale esperar para comprar só depois do casamento?

Muitas vezes o apartamento é a primeira experiência dos noivos fora da casa dos pais, e neste caso vale começar a viver o espaço antes de investir em móveis ou objetos específicos. 
Vasos, luminárias decorativas, uma ou outra poltrona auxiliar – que não seja vital para o funcionamento da casa -, quadros e obras de arte podem esperar. Muitos destes itens acabam também chegando pelos presentes inesperados.

– Que ambientes merecem atenção especial no apartamento dos recém-casados?

Sempre uma atenção especial a área social, lavabo e suíte do casal. De uns tempos para cá, a cozinha também tem merecido uma atenção maior. Além de receber muitas visitas no começo, são nesses espaços em que o novo casal ficará mais tempo, dividirá e adequará as novas tarefas de cada um. Todas as situações serão novas e inusitadas nestes ambientes, por isso é importante deixá-los o mais completo possível para que possam atender a essas demandas e contribuírem para o bem estar do casal e convidados.

– E como deixar estes espaços sociais receptivos e aconchegantes?

Praticidade é a palavra-chave. Se a casa não for prática nada funciona. O que torna uma casa prática: circulação entre ambientes adequada, números de assentos compatíveis ao espaço e convidados, mesas de apoio, móveis projetados com funções variadas para atender com dignidade desde um serviço mais formal até a pizza do final de semana. E o que não a torna prática: móveis em excesso, grandes, falta de utensílios ou mesmo mais convidados do que a mesa/sala de jantar pode absorver.

Para tornar o ambiente mais aconchegante é sempre importante cuidar da iluminação com carinho, ela faz toda a diferença. Uma iluminação baixa, “quente/amarelada” e pontual é sempre mais agradável.
 No jantar, vale equilibrar essa luminosidade para ninguém jantar no escuro ou mesmo ficar incomodado por não ver o que está comendo. Com dimerização ou luminárias pontuais, pendentes na mesa, sem excessos ou luz fria/branca, essa sensação gostosa é conquistada com êxito.

– Considerando que neste momento todos os espaços serão compartilhados, quais cuidados e dicas para não criar um stress logo de cara no closet do novo casal?

A primeira dica é setorizar. Se for possível armários distintos, melhor ainda. Para dividir, geralmente aplicamos a proporção de 2×1 (mulher/homem). Na ausência de closet, armários sem porta são boas opções para os casais organizados, mas no caso das mulheres, ainda preferimos os com porta. E o motivo é simples: o vestuário feminino é menos padronizado, e fica difícil manter uma certa organização/beleza estética. Para quartos pequenos, daí não há dúvidas, melhor mesmo é abortar a ideia de closet e trabalhar com armários integrados ao quarto.

– E para o banheiro do casal?

Se for possível ter banheiros independentes, melhor, mas não chega a ser fundamental. O simples fato de ter duas cubas já torna a convivência a dois no cômodo bem mais tranquila, principalmente se os horários de uso forem parecidos.

(Fotos: Divulgação)

Veja também: Decor Clean para apreciar o Cristo Redentor