Babies & Kids Casa & Decor 15 anos
Topo

Navegue como ou

Bate-papo sobre decoração de casamento com Flávia Fonseca Moraes

Formada em arquitetura, Flávia Fonseca MoraesFornecedoresFLÁVIA FONSECA MORAESDecoração & CenografiaSão Paulo (Capital)Leia mais sempre foi apaixonada pela dinâmica dos eventos sociais e do espetáculo. E depois de comandar por diversos anos desfiles de moda e peças de teatro, surgiu sua primeira decoração de casamento. A paixão foi tanta, que já se passaram nove anos e ela continua falando sobre seus projetos como se fossem os primeiros. Por conta de sua formação técnica e paixão por etiqueta, Flavia hoje desponta com decorações bem executadas. E da experiência dos palcos, Flavia aprendeu que o estético só tem sentido se o casamento for funcional. Para saber mais do que ela entende como essencial e ideal para uma decoração de casamento, batemos um longo papo com Flávia, que deu boas dicas para as noivas. Vem ver:

– Como tudo começou?

Cenografia faz parte da minha formação acadêmica, era uma matéria no curso de Arquitetura da FAAP. Ainda estagiária de arquitetura de interiores, meu primeiro trabalho foi com Roberto Migotto, e ficava torcendo para participar das montagens da Casa Cor, Mostra Artefacto… Meu primeiro contato com cenografia de eventos foi nos desfiles do SPFW. A magnitude da logística dos eventos de grande porte é de enlouquecer, foram quatro temporadas de muito aprendizado!

– Como você foi parar no mercado de casamentos?

Fui a uma entrevista de emprego em um escritório de arquitetura, e chegando lá a vaga era para o departamento de eventos. Minha resposta foi: “… não sabia, mas estou interessada rs!” Depois, abri meu próprio escritório de arquitetura de eventos, mesmo achando que um dia talvez voltasse para arquitetura de interiores. Fui para Nova York passar uma temporada e uma prima muito próxima me pediu para voltar e fazer seu casamento no Buffet França. Na hora tomei um susto, mas aceitei. Achei que seria só esse, mas veio outro, mais outro e já são nove anos.

– Como a formação em arquitetura influencia nos seus projetos?

Completamente! Na hora de projetar, assim como em arquitetura, parto de um “Programa de Necessidades”: quantas pessoas, em qual local, qual o perfil… Depois, me preocupo com fluxo de circulação, a dinâmica, o impacto visual, a tridimensionalidade. Além da estética, festa tem que funcionar!

– Que artifícios mais gosta para criar um impacto visual?

Decoração aérea. Em um evento você “enxerga” o que está na sua frente, na sua mesa ou acima da linha do olhar.

– Você trabalhou com cenografia de teatro, como contar uma história com decoração?

Sempre adorei essa dinâmica do “backstage”, de se pensar como construir a luz, o impacto da cena. Nunca consegui ver TV sem observar o cenário, o que gosto, o que mudaria! Luz, câmeras e ação tem, na minha opinião, tudo a ver com planejar a cena de um casamento na vida real. Cada cantinho, cada detalhe precisa ser pensado para cada situação e projetado para que a dinâmica do casamento flua.

– Como você define seu estilo?

Eclético, talvez. Todos os estilos bem feitos me agradam. Campo, praia, clássico, minimalista, romântico… Todos são desafios novos, principalmente porque o que dita a perfeição e o luxo é o equilibro. Festas devem ser adequadas para um certo perfil de convidado, um certo local.

– O que não pode faltar em decoração de casamento? E por quê?

Boa iluminação: a decoração “cresce” tanto na iluminação natural dos eventos de dia, assim como na artificial quando à noite!

– As principais diferenças de uma decoração ao ar livre para uma em salão fechado que as noivas precisam saber antes de decidir? Quais os principais cuidados?

Amo ar livre, é imbatível! Sempre tento trazer esse “clima” para os meus projetos em espaços fechados. As vantagens ao ar livre são a bossa e a naturalidade que o ambiente traz. Porém, temos algumas limitações quanto a como controlar fatores como sol, chuva, calor e frio. Precisamos também prever e criar instraestrutura para onde vai se prender iluminação artificial, tanto ambiente quanto de pista de dança. Pensar se o piso é adequado, se iremos construir algo para o altar ou festa…

Já no ambiente fechado, todo os fatores externos são controlados. Aqui, os desafios são outros. Meus projetos visam trazer sempre essa bossa e naturalidade do ambiente externo através de árvores, decoração aérea, velas… Por exemplo, em meu último casamento, me inspirei nos jardins de Alhambra, na Espanha. Era um dos lugares favoritos da noiva. Os seus arcos com linhas mouriscas foram reproduzidos na Mesa de Doces. Uma outra coisa bacana foi a irmã da noiva ter pintado uma tela especialmente para o casamento. Colocamos no bar, o que deu personalidade ao evento.

– Em quais casos um plano B é indispensável? Como planejá-lo?

Todo projeto meu ao ar livre tem invariavelmente o plano B. São sempre 2 projetos completos a serem apresentados ao cliente e tocados em paralelo. O planejamento depende muito do local do evento, mas é prudente se decidir em qual frente seguir no máximo dois dias antes do evento, nunca horas antes!!!

– Você é uma pessoa que preza por etiqueta. Pode nos dar um exemplo de uma mesa que considera bem montada e uma não tão correta?

Um sousplat, por exemplo, tem a função de apoio para o prato de mesa. Não se deve montar mesa com sousplat se o serviço escolhido para o casamento é volante.

– Depois de nove anos de carreira, o que você vê de diferente hoje em dia, e o que aposta/torce para o futuro da decoração de casamentos?

Os eventos estão cada vez mais organizados, mais detalhistas e as locadoras de peças mais variadas – uma vantagem que precisa ser usada com cautela, com equilíbrio como eu já disse. Vejo (e torço para que) cada vez mais arquitetos se voltando para esse mercado.

– Para encerrar, pode dar 3 dicas de decoração para as noivas?

1 – Confie no seu decorador: cada festa é uma festa, nem sempre o que funcionou para outra noiva vai ser a melhor solução para você.

2 – Aposte na variação de arranjos, de mobiliário… Essa quebra de monotonia traz conforto e deixa a decoração mais interessante.

3 – Escolha um espaço que comporte seu evento com folga. A lista de convidados sempre tende a aumentar e um espaço maior a gente diminui já o oposto muitas vezes não é tão simples assim.

. . . . . .

Veja também: Decoração de casamento em tons de azul e branco

E mais: Decoração colonial para casamento e noivado

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *